COITÉ: Padre chama Marielle de miliciana e critica lei em seu nome

 


A sanção do prefeito Marcelo Araújo (DEM), após aprovação por unanimidade na Câmara de Vereadores de Conceição do Coité, que institui o Dia Municipal Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 2018 em pleno mandato de vereadora, ganhou um novo capítulo neste domingo, 02, quando um padre da Paróquia São Roque, em Coité, chamou a vereadora Marielle Franco de miliciana, e também criticou os vereadores e o prefeito, algo que tinha acontecido por centenas de pessoas em redes sociais.

“Aprovando projeto a favor de pessoa que é contra família, a favor de aborto, maconha. […] São filhos do Satanás”, diz o padre, durante uma missa.

Os vereadores aprovaram a Lei que foi uma indicação da vereadora Professora Elaine (PCdoB) e o“Dia Marielle Franco”, será comemorado todo 14 de março, data da morte da vereadora. O objetivo é discutir o enfrentamento a violências contra mulheres negras,lgbts e periféricas.

“Como o prefeito sanciona uma lei que uma pessoa miliciana, contra a família, a favor do aborto. Como nós cristãos, católicos, vamos aceitar uma coisa dessa?”, indaga o padre em outro momento.

Fake news 

Suspeitas apontam que Marielle Franco foi morta, justamente, por milicianos, grupo que o padre em Conceição do Coité tenta associar à vereadora.

Uma fake news famosa é a que afirma que Marielle é miliciana. A mentira repercutiu nacionalmente depois desembargadora Marilia de Castro Neves compartilhar a informação falsa.