PT não elege prefeito em capitais pela 1ª vez desde a redemocratização

 


Em 2020, o Partido dos Trabalhadores (PT) não elegeu prefeito em capitais do Brasil pela primeira vez desde a redemocratização. Das 15 cidades em que disputava o 2º turno, o PT foi derrotado em 11, sendo duas capitais (Recife e Vitória).

A legenda só conseguiu eleger em 2º turno os prefeitos de Juiz de Fora (MG), Contagem (MG), Diadema (SP) e Mauá (SP). O partido era o que tinha mais candidatos na disputa neste 2º turno. As eleições em Macapá, suspensas em razão de um apagão, ainda vão acontecer.

Entre as quatro cidades em que elegeu prefeitos, a vitória mais expressiva do partido foi de Margarida Salomão, em Juiz de Fora (MG), que obteve 54,9% dos votos e venceu o candidato do PSB, Wilson Rezato.

Uma das maiores derrotas neste 2º turno ocorreu em Recife, onde Marília Arraes (PT) disputava com João Campos (PSB), eleito com mais de 56% dos votos.

O ex-ministro Pepe Vargas, que participou do governo da presidente Dilma Rousseff, foi derrotado na disputa pela Prefeitura de Caxias do Sul. Pepe perdeu para o candidato do PSDB, Adiló, que obteve mais de 59% dos votos.

Se comparado com o total de prefeituras conquistas pelo partido em 2016, esta foi a baixa mais significativa do Partidos dos Trabalhadores.

Em 2008, a legenda conseguiu eleger 360 prefeitos em todo país. Quatro anos depois, passou para 555. Na eleição de 2012, o PT voltou a apresentar crescimento no total de prefeituras, com 637.

Em 2016, o partido perdeu em diversas cidades, ficando com apenas 254 prefeituras. Neste ano, o partido termina a eleição com 183 prefeituras, menor número em 16 anos.

Com a derrota nas urnas neste ano, o PT ocupa a 11ª posição entre os partidos considerando o número de prefeituras.