Cigarros eletrônicos fazem mal à saúde; especialista explica mitos e verdades

 


Diversas pesquisas mostram os malefícios do consumo de cigarro para a saúde. Responsável por mais de 7 milhões de mortes anuais em todo o mundo, o produto há muito tempo deixou de ser símbolo de poder, status e liberdade. A meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que, ano após ano, o consumo seja reduzido.

Nos últimos anos, porém, surgbiram os cigarros eletrônicos. Com uma aparência moderna e com gostos disfarçados por uma infinidade de sabores e aromas, eles passam a ideia de serem inofensivos à saúde. Basta acessar as redes sociais para ver homens e mulheres jovens consumindo os vaporizadores. A “fumaça” densa tamém é comumente percebida nas rodas de amigos em bares, restaurantes ou até mesmo na praia.

O que muitos não sabem, ou ignoram, é que, apesar de parecerem uma boa alternativa e serem socialmente aceitos, os Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs) são tão danosos quanto o cigarro convencional. A comercialização, importação e propaganda daqueles são proibidas no Brasil.

A pneumologista e coordenadora do Programa de Controle do Tabagismo do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), Penha Uchoa, há mais de 20 anos ajuda pessoas a largarem o vício do tabagismo. Ela explica mitos e verdades sobre os cigarros eletrônicos e orienta sobre os riscos à saúde.

Os cigarros eletrônicos fazem mal à saúde?

Os cigarros eletrônicos são maléficos à saúde e não são seguros. Não há registros sobre os tipos de substâncias e as concentrações que estão presentes nos cartuchos, por exemplo. Os Dispositivos Eletrônicos para Fumar possuem substâncias tóxicas além da nicotina e podem causar doenças respiratórias. Em 2019, o surto de uma síndrome gripal que evoluiu para uma insuficiência respiratória aguda foi registrada entre jovens de vários estados americanos. A grave e misteriosa doença pulmonar estava ligada ao uso de cigarros eletrônicos. Nós, profissionais de saúde, precisamos chamar atenção desses jovens que estão procurando o cigarro eletrônico com a crença de que ele seja menos danoso. E não é.

Os cigarros eletrônicos são uma alternativa para parar de fumar?

Não há comprovação científica de que os cigarros eletrônicos sejam eficazes para a cessação tabágica. Os estudos científicos são limitados e de baixa certeza de evidência. O cigarro eletrônico pode, inclusive, levar as pessoas a fumarem mais, para compensar a falta do cigarro comum.

Além disso, outra coisa que está acontecendo é que muitos jovens e adolescentes que nunca fumaram estão experimentando o cigarro eletrônico e passam a ser usuários frequentes. Essa iniciação precoce pode ser também uma porta de entrada ao tabagismo convencional. Isso é um grande risco e um desserviço à saúde pública.

O cigarro eletrônico tem uma composição diferente do tradicional?

Os cigarros eletrônicos são bem diferentes dos cigarros convencionais. Enquanto os tradicionais possuem registro das substâncias, concentrações e quantidades contidas nele, o cigarro eletrônico não possui registros formalizados.

O cigarro eletrônico possui três componentes essenciais: a bateria, o aerossolizador ou atomizador e o cartuxo que contém o líquido que, por sua vez, contém as substâncias – que podem ser nicotina, odorizantes e flavorizantes. A bateria aquece a solução líquida e, assim, gera o vapor.

Por não existir a combustão dos derivados do tabaco, como ocorre com o cigarro tradicional, os dispositivos eletrônicos não possuem monóxido de carbono. Além disso, ele também não contém alcatrão na composição.

A ausência dessas substâncias colabora com a ideia de que ele é seguro. Mas, apesar disso, ainda há a presença de outras substâncias tóxicas e a alta concentração de nicotina, que fazem com que o cigarro eletrônico seja ofensivo.

A comercialização dos DEFs é liberada no Brasil?

Desde 2009, a comercialização, importação e propaganda de cigarros eletrônicos são proibidas no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa – RDC 46, de 28/08/09). A justificativa é de que não existem estudos que comprovem a segurança na utilização dos DEFs, além de serem extremamente atraentes para os mais jovens, que tendem a aderir ainda mais ao produto.

Em relação ao narguilé: ele faz tão mal quanto o cigarro comum?

Apesar de serem igualmente atrativos, por terem um designer arrojado, eles são diferentes. O narguilé tem como base o tabaco e também vem de uma fonte de combustão. Isso significa que, além da nicotina, ele tem monóxido de carbono e alcatrão, assim como o cigarro tradicional. Uma rodada de narguilé, de cerca de 1 hora, 1 hora e meia, pode equivaler a fumar mais de cem cigarros. Acontece que existe o fator socialização nessa história, dando destaque para a presença massiva do aparelho em bares e festas.

O tabagismo é um dos principais fatores de risco evitáveis e responsável por mortes, doenças e alto custo para o sistema de saúde, além da diminuição da qualidade de vida do cidadão e da sociedade. Não há nível seguro de exposição ao tabagismo. A única maneira de proteger adequadamente fumantes e não fumantes é eliminar completamente o uso desses produtos fumados.

Postar um comentário

0 Comentários