Durante audiência de custódia, jovem confessa crime na Babilônia e revela participação em latrocínio contra idosa de 81 anos

 


Israel Santos Silva, 18 anos, preso pela guarnição da Polícia Militar da 4ª Cia/Coité por volta das 02h da madrugada desta quinta-feira, 09, acusado de matar a golpes de faca, Laenio da Silva Vitório, 20 anos, na Praça da Babilônia, no fim da noite de quarta-feira, 08, participou de uma audiência de custódia nesta manhã com o juiz da Comarca, Gerivaldo Alves Neiva, no Fórum Durval da Silva Pinto onde confessou autoria dos golpes de faca contra à vítima que não resistiu e foi a óbito minutos depois na emergência do Hospital Português – Unidade Regional de Conceição do Coité.

Durante audiência o jovem disse ao juiz que teve desentendimento entre eles algumas vezes, no dia do crime um deu um tombo no outro e iniciou a briga, interromperam às vias de fatos, momento que ele foi em casa, pegou uma faca e no reencontro, Laenio partiu para cima dele e que para se defender, deu duas facadas alegando legítima defesa.

‘Atirou o que viu e matou o que não viu’ (dito popular)
A Polícia Militar procurou e encontrou o principal suspeito do crime na Babilônia que confessou, mas talvez não sabia que Israel era peça de um inquérito em aberto por ter participação de um latrocínio no inicio do mês de março de 2020 numa residência rural na região do Povoado Cantinho que teve como vítima uma idosa de 81 anos, morta a golpes de machado e os criminosos tentaram atear fogo na casa após matar a idosa.


Segundo Dr Gerivaldo Neiva no fim da audiência que tratava do caso da Praça da Babilônia, perguntou a Israel se tinha mais algum envolvimento em crime e ele revelou a participação no latrocínio contra idosa em parceria com um comparsa.

O magistrado manteve a prisão preventiva pelo crime na Babilônia, disse que o mesmo já tinha confessado antes na delegacia. De acordo com o juiz, tendo confessado, a Delegacia deverá concluir o inquérito que estava em aberto, ele vai responder pelo latrocínio e terá um novo inquérito por este homicídio mais recente, ou seja, agora ele tem dois crimes contra a vida.

Israrel era menor quando participou do latrocínio
Israel completou 18 anos em 31 de agosto deste ano, o latrocínio aconteceu em 3 de abril de 2020, quando o mesmo tinha 16 anos, faltando quase 6 meses para completar 17.

Doutor Gerivaldo explicou que pelo latrocínio Israel irá responder pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), mas não pode ser condenado a prisão em regime fechado. Cumpriria medida sócio educativa até os 21 anos. “Agora a Delegacia vai concluir o inquérito antigo que estava em aberto, na conclusão vai citar que o autor do fato foi um adolescente, a Delegacia deverá encaminhar para o Ministério Público a promotora vai oferecer a representação, depois ele será ouvido mais uma vez e se ele confessar como fez hoje, ele vai rebeber a medida sócio educativa até os 21 anos. Agora, neste caso de ontem, não, é uma ação diferente, é uma ação penal pelo crime de homicídio e vai ser submetido a julgamento pelo juri popular e se condenado vai cumprir pena no presídio”, falou o juiz.
Juiz Gerivaldo Neiva – Conceição do Coité | Foto: arquivo Raimundo Mascarenhas
O juiz resumiu dizendo que Israel foi preso em flagrante pelo homicídio da Babilônia, hoje na audiência de custódia ele decretou a prisão preventiva, mas considerando que ele confessou o latrocínio, “então, ele está preso preventivamente pelo homicídio, porque pelo antigo crime ele não poderia ser preso hoje”, esclareceu o magistrado.

Postar um comentário

0 Comentários